Categoria: Calvície

ALOPECIA ANDROGENÉTICA

ALOPECIA ANDROGENÉTICA

A ALOPECIA ANDROGENÉTICA não é uma queda de cabelo cicatricial em homens e mulheres que é causada por uma predisposição genética. Surge sob a influência de andrógenos e é caracterizada pela diminuição do número de fios de cabelo na cabeça, sendo que a maioria deles se transforma em um aspecto de canhão.

Quase todos os homens apresentam um pequeno grau de recessão ao longo da linha do cabelo durante a vida, mas na metade dos homens e mulheres na faixa etária acima de 40 anos esse processo progride. A ocorrência de alopecia androgenética (calvície de padrão masculino) depende se os familiares têm tal patologia: pais e parentes maternos.

A principal razão para essa queda de cabelo é uma combinação de fatores como atividade excessiva de andrógenos (hormônios esteróides sexuais), predisposição genética e condições ambientais.

Nessa doença, os andrógenos promovem a conversão da testosterona em diidrotestosterona, após o que ela se liga às papilas dérmicas, que ativam genes nos folículos da parte frontal e da coroa. E isso leva à perda de cabelo e calvície.

SINTOMAS

A alopecia androgenética em homens começa com o cabelo ralo na parte frontal e, em seguida, manchas calvas se formam nas têmporas, após o que aparece a calvície na região da coroa. Nas mulheres, o prolapso frontal começa no topo da cabeça e se assemelha a uma espinha de peixe pela localização das manchas calvas. A calvície masculina pode ocorrer na população feminina, assim como a feminina ocorre nos homens.

COMO ESTA DOENÇA É DIAGNOSTICADA

As seguintes TÉCNICAS são usadas para fazer um diagnóstico de alopecia androgenética :

EXAME CLÍNICO POR MÉDICO (dermatologista, tricologista), consulta.

FOTOTRICOSCOPIA. Este é um dos métodos modernos de diagnóstico de alopecia, através do qual se determinam os indicadores do crescimento do cabelo, sinais próprios desta doença, que permitem distingui-la de outros tipos de alopecia. Numerosas fotografias permitem ao médico avaliar a evolução da patologia e monitorar o tratamento.

Saiba mais em: FollicHair

DERMATOSCOPIA. Este é um diagnóstico não invasivo usando um dispositivo ótico especial – um dermatoscópio. Formações de pele diferentes e recém-surgidas têm um complexo de sinais que são determinados visualmente, chamados de chaves. Para isso, a clínica Euroderm utiliza um moderno aparelho FotoFinder medicam 1000, equipado com uma D-Scope Lens IV, que permite obter uma ampliação de 20-140x do objeto em questão (zoom totalmente óptico, que pode ser controlado pelo manusear no corpo e no próprio programa).

A videodermatoscopia é recomendada nos seguintes casos:

tumores malignos da pele;

condições pré-cancerosas de neoplasias;

todos os tipos de patologias de pele e problemas de cabelo;

quaisquer neoplasias na pele (o que ajuda a reduzir erros no diagnóstico e remoção).

PESQUISA DE LABORATÓRIO. Testes para ferritina, TSH (hormônio estimulador da tireoide) e vitamina D são prescritos para identificar e excluir fontes de queda de cabelo. O nível de testosterona e diidrotestosterona no sangue também é determinado para planejar adequadamente os métodos de tratamento. Com sinais evidentes de hiperandrogenismo, são prescritos exames para LH, FSH, progesterona, testosterona livre, cortisol, prolactina, etc. Também, neste caso, o paciente deve consultar um endocrinologista.

BIÓPSIA (BIÓPSIA POR PUNÇÃO). Um pequeno pedaço é retirado de uma determinada área da pele sob o cabelo para análise patomorfológica, o que auxilia no diagnóstico final, uma vez que são reveladas as características histológicas e o número de fios terminais, velos, anágenos e telógenos nesta área. é mostrado. Este procedimento diagnóstico permite obter amostras de todas as camadas da pele: epiderme, derme e gordura subcutânea. No processo de biópsia por punção, são usados ​​instrumentos com diâmetro de 1,5-8 milímetros.

Vantagens da biópsia por punção como método diagnóstico:

nenhuma preparação preliminar necessária;

permite que você faça um diagnóstico rápido e preciso;

praticamente não há contra-indicações;

a coleta de uma amostra do sítio patológico não causa danos aos tecidos saudáveis ​​circundantes.

A biópsia por punção é recomendada nos seguintes casos:

para esclarecer o diagnóstico de quaisquer alterações patológicas na pele;

com dermatoses crônicas com recaídas prolongadas e frequentes;

determinação de neoplasias malignas e benignas;

colagenoses sistêmicas;

tipos de patologias bolhosas;

micoses (infecção fúngica).

Contra-indicações à biópsia por punção: reações alérgicas a drogas e anormalidades na coagulação do sangue.

Você sabe qual é o seu tipo de calvície?

Você sabe qual é o seu tipo de calvície? Como é que se classifica? Vamos ver agora tudo sobre isso.

  Vamos falar sobre a classificação inventada, para colocar os tipos de calvícies, qual é o tipo, qual é o tratamento mais indicado, cientistas se reuniram para criar as classificações.

Existe a calvície padrão normal, lembrando que todo homem tem por via de regra as famosas entradas, com maior ou menor intensidade. Por que acontece somente nessa região? isso vem lá da empresa, que nos originou. É a origem em biológica, quando a gente era um feto, um embrião da barriga nossa mãe.

A formação vem da questão ectodérmica. Você nunca vai ver um homem careca ou calvo na região lateral, somente na região de cima.

Alopecia androgenética

Calvície é chamada de alopecia androgenética. É uma doença que na maioria das vezes o diagnóstico é feito clinicamente, ou seja, um médico examina o paciente, tirando o seu histórico, passa a fazer alguns exames para o diagnóstico, na maioria das vezes.

Mas quais são os critérios para identificar a alopecia androgenética? O médico utiliza o geralmente o dermatoscópio, existem vários aparelhos, mas de maneira geral esse é o mais usado. Hoje em dia se usa muito Câmera, mas também pode ser usado uma luz, para observar as alterações por trás do cabelo. O médico então analisando as imagens consegue notar as alterações no fio de cabelo.

Essas alterações que são características dos problemas que vem se desenvolvendo no seu couro cabeludo. O médico consegue analisar quais são essas características. Se é uma causa genética, o que vai se observar é uma diminuição do calibre dos fios, se eles grossos ou não.

Outra situação que vai ser notada é se a perda de cabelo está sendo devido a algum remédio que você está consumindo ou algo do tipo, vai ser observado uma diminuição dos fios. O cabelo vai ficando cada vez mais claro, ou seja, o cabelo mais fino e a quantidade de fios no folículo estão bem menores.

Para um cabelo considerado normal, a grande característica desses fios é que eles possuem o diâmetro muito parecido, se você observar  na imagem abaixo os fios têm diâmetro parecido, os folículos são múltiplos, ou seja, vários fios no mesmo folículo e eles possuem uma pigmentação adequado são cheios de tinta.

Agora numa região comprometida pela calvície ou pela alopecia. Nós conseguimos notar que os fios do couro cabeludo são afetados deixam os fios finos. Os folículos são simples, ou seja, contém apenas um fio de cabelo, estão com menos fios por folículos. E existe uma diminuição acentuada da pigmentação, os fios são bem mais claros por estarem mais finos. Veja um exemplo na foto abaixo:

Agora olhando as duas imagens, da para reparar nas diferenças, entre uma região normal em uma região com alopecia androgenética. Quando prestamos atenção as duas imagens ao mesmo tempo, fica clara a diferença na imagem de cima da região normal. Notamos que os folículos são grossos, múltiplos, pigmentados e já a imagem debaixo da área de perca dos fios, percebemos que eles são finos. Os folículos têm menos fios e são mais claros, sem tanto pigmento como uma cabeça saudável.

Em média 50% dos homens no decorrer da sua vida vão perder cabelo devido á alopecia androgenética. A taxa média é de 50% em homens brancos, 15% em negros e 15% em amarelos ou asiáticos. Esses dados se referem a calvície masculina.

Existem medicamentos que são aliados no tratamento da calvície. No mercado existem muitos que são eficazes e que vão te ajudar a se livrar desse mal.

Mas ao contrário do que a maioria das pessoas pensam as mulheres também podem ser afetadas pela calvície, é claro que em geral numa quantidade bem menor em porcentagem, mas elas podem sim ser afetadas.

A calvície está relacionada a testosterona, que quando atinge o couro cabeludo de indivíduos com predisposição genética, sofre ação da 5-alfa-redutase e converte em di-hidrotestosterona (DHT). Esta é a responsável pela diminuição gradual dos fios como observamos anteriormente. Esse processo é chamado de miniaturização.

Em homens, a perda de cabelo tem um padrão para a queda, se iniciando em geral na área frontal ou no topo da cabeça. Acredita-se que a diminuição dos fios aconteça de forma gradual, tendo uma redução de cerca de 5% ao ano. Agora nas mulheres que são acometidas, a perda de cabelo acontece de maneira difusa, mas que não produz uma calvície total.

Tratamentos

Os tratamentos para a calvície disponíveis hoje em dia, podemos dizer que são: Apliques, enxertos, além da mais usada que é a forma medicamentosa.

Mas ela pode sim ser reduzida ou até mesmo acabar com esse problema que afeta tanto a autoestima.

Causas

Podemos alistar aqui algumas causas da queda de cabelo chamada difusa, aquela que não acomete na queda de cabelo total.

– Tireoide desregulada (hipotiroidismo ou hipertireoidismo)

– Medicamentos

– Menopausa ou gravidez (alterações hormonais)

– Alimentação ruim ou ausência de vitaminas

– Estresse

– Perda de peso significativa ou rápida demais

– Doenças

– Histórico familiar.

Se você observar algumas dessas circunstâncias fique atento, e resolva o que está ao seu alcance, o que você não consegue, peça ajuda de um profissional.

Chegamos à conclusão de que, a alopecia difusa pode ter várias origens que causam a queda de cabelo.

 O que eu posso esperar? Quais os sintomas? Como é este processo?

O cabelo de todo ser humano sem exceção, passa por três fases diferentes durante o seu ciclo de vida:

Anágena: o folículo capilar está ativo, funcionado normalmente então o cabelo cresce;

Catágena: o fio para de crescer, sai da base do folículo e solta-se do couro cabeludo;

Telógena: o fio está pronto para cair sozinho, puxado pelo pente ou outro atrito, tufos na almofada ou empurrado pelo fio novo que começa a nascer abaixo dele.

O que o eflúvio telógeno faz é aumentar a proporção de fios que se encontram na fase Telógena, e por isso a ausência de cabelo começa a ser um problema tão grande que se torna quase impossível de disfarçar.

Mas já que a queda de cabelo é também um processo natural do ciclo de vida capilar, como é possível caírem tantos cabelos de um dia para o outro?

Muitas pessoas testemunham que a mudança algumas vezes é brusca e logo se percebe a falta de cabelo. E é nesse momento que as pessoas procuram ajuda e tratamento adequado.

Qualquer perda de cabelo acima de 100 fios por dia é grave e pode ter consequências enormes.

Muitos homens ficam chocados quando sempre tiveram um cabelo forte e saudável e a partir de um determinado momento o cabelo perde toda a sua vitalidade e brilho e nunca mais volta a ser o mesmo.

Se for esse o seu caso, provavelmente sofre de alopecia difusa e aceitar que tem uma condição médica para a qual é preciso encontrar tratamento é o primeiro passo.

Agora se seu cabelo nunca tiver sido um motivo de grande orgulho e atrativo porque sempre foi escasso, fraco e irregular, o mais provável é que você sofra de alopecia difusa mais grave.

Quando se trata da mulher, a alopecia difusa feminina pode surgir como maior evidência após certos eventos:

– Alterações hormonais

– Doenças graves ou traumas físicos

– Doenças psicológicas

– Desordens alimentares

-Deficiências nutricionais, excesso de suplementação de vitaminas;

– O uso de medicação

– Doenças crónicas

Se a paciente for saudável e sem qualquer tipo de doença associada, isso nos mostra que há um grande potencial de ter plena recuperação e voltar a ter novamente o seu cabelo como antes.

Também existem estimuladores de crescimento capilar para a alopecia difusa que aceleram esta recuperação.

Uma vez detectada a raiz do problema, pode-se concentrar no foco que é na solução: o tratamento mais adequado

A alopecia difusa tem cura?

No geral, a alopecia difusa tem cura sim dependendo da causa. O que significa que, quanto antes se descobrir a causa antes será possível agir com competência e encontrar a melhor solução.
Lembrando que muitos esforços com estimuladores de crescimento de cabelo ou outros tratamentos, podem sim ser eficazes.

Solucionar o problema pode fazer com que você recupere sua autoestima e sua felicidade.

O que pode fazer para ajudar a condição?

Reduza o stress: O pensamento positivo defende que uma das grandes ferramentas que possuímos para conseguir criar uma verdadeira motivação.

Coma melhor: Procure quais os alimentos que ajudam a prevenir os sintomas e a minimizá-los.

Pratique exercício físico diários.

Invista em hobbies terapêutico: como por exemplo acupuntura.

Coloque em sua mente coisas boas e saudáveis.

Faça novas aventuras: experiências felizes potenciam mecanismos de sensações de alegria libertados pelos nossos neurotransmissores.

Informe-se sobre a doença. Informação é poder. Liberte-se daquela tensão que te consome. Combata a ansiedade sobre os efeitos negativos na sua vida. E não fique se sentindo o único que sofre com esse problema, pode acreditar, muitas pessoas passam por isso.

Se tiver tentado todas estas recomendações ou outras inclusive e mesmo assim você perceber que a doença continua progredindo. Procure os melhores remédios para a calvície que podem te ajudar de verdade a ter bons resultados.